Cuidados pós criolipólise

A criolipólise tem sido considerada a nova lipoaspiração no mundo da estética. Realizada naqueles que desejam eliminar a gordura localizada, a técnica é bastante simples e oferece ótimos resultados. São necessários, porém, alguns cuidados pós-criolipólise, que vão garantir o melhor efeito possível de todo o procedimento. Como uma dieta balanceada, exercícios físicos e, claro, o uso de uma cinta modeladora. Confira tudo sobre o procedimento e seu pós cirúrgico!

O que é a criolipólise?

A criolipólise é uma técnica originária dos Estados Unidos, criada por especialistas da Universidade de Harvard. Ela é realizada por meio de uma aparelho que realiza a sucção da pele e resfria as células de gordura. O que ocorre é que a ponteira do aparelho puxa para dentro de sua cavidade uma parte da pele. Com essa sucção, a pele, que possui células de gordura, é resfriada. Expostos ao frio intenso, esses adipócitos se rompem. Em seguida, o corpo acaba por eliminar sozinho essas células rompidas, o que por fim resulta numa silhueta mais “chapada” e sem gordura localizada.

Apenas as células de gordura são destruídas pelo frio. Isso porque elas são mais sensíveis ao frio extremo, o que provoca a seleção correta das células. Logo, outras porções da pele, nervos e músculos não sofrem nenhum dano, mantendo a saúde do paciente à toda.

Os adipócitos destruídos são eliminados pelo corpo por meio do sistema linfático. Rompidas, as porções são conduzidas ao fígado e então metabolizadas. Para um resultado mais bonito e satisfatório,, são indicadas de uma a très sessões de criolipólise, com dois meses de intervalo entre cada uma.

O procedimento pode ser realizado em diferentes partes do corpo. Como a barriga, costas, flancos, braços, coxas e nádegas. A técnica é indicada apenas para pessoas com gordura localizada, e não com sobrepeso ou obesidade. Afinal, indivíduos com grande quantidade de gordura no corpo dificilmente se beneficiarão do método. Além disso, a grande quantidade de adipócitos destruídos pode sobrecarregar o fígado, que vai fazer sua eliminação, e causar problemas no órgão. Dessa forma,  é fundamental consultar um médico antes de optar pelo processo. Dependendo do indivíduo, outros tipos de tratamento podem ser mais indicados.

Informações importantes

É comum que o paciente sinta leves pontadas de dor todas as vezes que a pele é succionada pelo aparelho de criolipólise. Após o resfriamento dela, porém, a região fica anestesiada, de modo que o indivíduo não percebe mais o desconforto. Em seguida à realização da sessão, é igualmente comum que haja certo incômodo algumas horas depois, e até hematomas.

O resultado realmente aparente da técnica é percebido algum tempo depois. A partir do décimo dia de sessão, a quebra da gordura já é visível. Após um ou três meses, os pacientes demonstram-se ainda mais satisfeitos com o resultado, uma vez que a metabolização dos adipócitos destruídos já será completa. Além do aspecto visual, a diferença entre o antes e depois da técnica pode ser percebida por meio da fita métrica, uma vez que há a redução das medidas do local que passou pelo procedimento.

É importantes destacar, de qualquer forma, que a cirurgia não promove a real perda de peso, apesar de ser possível verificar pequena mudança nos números da balança. A queda dos números na balança só é possível por meio da associação de uma série de medidas, incluindo uma dieta balanceada e a prática de atividades físicas. Esses cuidados, inclusive, fazem parte do importante período de recuperação pós criolipólise.
Segundo especialistas, até 20% a 25% da gordura localizada da região tratada pelo procedimento é eliminada. Pessoas com a pele sensível ao frio, no entanto, devem evitar a realização do método, pois ela pode provocar ferimentos. Se houverem infecções na pele, feridas, urticárias ou outros, a criolipólise também não é recomendada. Assim como para gestantes ou pessoas recentemente operadas, em qualquer região do corpo.

Cuidados pós criolipólise

A primeira medida a ser tomada após a realização de uma sessão de criolipólise é o cuidado com a alimentação. Uma dieta balanceada é fundamental para evitar um novo acúmulo de gordura localizada no corpo, o que iria anular todo o efeito conseguido com o procedimento estético. Além disso, a alimentação correta dá ao corpo maior saúde e capacidade de se recuperar, garantindo o desaparecimento rápido dos hematomas e o metabolismo correto das células de gordura rompidas. Assim, é importante fazer o consumo de frutas, verduras, legumes e cereais, e evitar produtos industrializados ou ricos em gordura.

A prática de atividades físicas é da mesma forma indicada. Primeiro porque ela promove o bem-geral do organismo. Em seguida, porque o esporte também potencializa o metabolismo feito pelo fígado, assim como a eliminação de toxinas do organismo.

Ao mesmo tempo, deve-se fazer o consumo adequado de água no dia a dia. Para um adulto, isso corresponde a pelo menos 2 litros de líquido em 24 horas. É por meio da água que o corpo consegue realizar suas funções, inclusive mantendo o sistema circulatório e de drenagem linfática em plena atividade.

Finalmente, pode-se aderir à realização de sessões de drenagem linfática. Assim como faz o corpo naturalmente, essa técnica estimula a circulação do sangue e promove a eliminação das toxinas do organismo. Dentre essas toxinas são eliminadas também as células de gordura, e por isso há a potencialização do resultado da primeira técnica.

Cinta modeladora no pós criolipólise

Cintas modeladoras são acessórios conhecidos principalmente pela sua capacidade de definição da silhueta. Esse seu poder é garantido por seu tecido flexível, que realiza a compressão do corpo e modifica os adipócitos de lugar. Ela age da seguinte forma: servindo como um molde ao corpo, ela define uma nova silhueta ao indivíduo movimentando suas células de gordura. Após certo tempo de uso, inclusive, pode modificar essas frações permanentemente, de modo que o corpo ganhe curvas mais bonitas.

O que acontece quando utilizada no pós criolipólise é que a peça dá ao corpo um molde muito necessário. Afinal, quando perde células após seu rompimento, a pele acaba por se tornar mais solta. Se não possuir uma fôrma à qual se adequar, ela pode adquirir visual flácido ou pouco simétrico, o que não é atraente fisicamente.

Além disso, a compressão de um modelador possui a capacidade de incentivar a drenagem linfática. Como já explicado, é por meio da drenagem que o corpo consegue levar os adipócitos ao fígado e, então, eliminá-los. A drenagem potencializada, dessa forma, dá ao organismo uma recuperação mais rápida, com resultados mais belos.

Graças a essa mesma drenagem linfática, a celulite e flacidez da pele desaparecem. Afinal, é pelo acúmulo de adipócitos que esses incômodos estéticos ocorrem. Como também há a melhora da circulação sanguínea, o corpo ganha na renovação da pele. Nesse caso, os hematomas e marcas possivelmente provocadas pela criolipólise são prevenidos e combatidos, que modo que a aparência visual do procedimento seja completamente satisfatória.

A cinta modeladora oferece ainda benefícios para a postura. Isso uma vez que serve como um suporte extra à coluna. Quando então as costas são curvadas ou permanecem tortas, o indivíduo sente uma pressão levemente maior sobre a região, sendo “lembrado” assim de manter a espinha reta. Essa retidão, aliás, é igualmente importante para o resultado visual da criolipólise, pois caso a pele apresente dobras durante sua recuperação, poderá permanecer com essas marcas após o tempo de cura da sessão.

Ao mesmo tempo, o tecido flexível da peça promove o massageamento do corpo. Logo, a sensação de bem-estar do organismo é contínua, e o indivíduo se sente mais relaxado e bem disposto durante o dia a dia.

Modelos de cinta

Como a criolipólise pode ser realizada em diferentes áreas do corpo, é bom também que sua recuperação possa contar com diferentes modelos de cinta. Assim, a região que passou pelo procedimento vai poder aproveitar de todos os benefícios citados até aqui.

Dessa forma há, por exemplo, o modelador mais comum, em forma de faixa que envolve o abdômen. A peça é preferida principalmente para o dia a dia, pois é discreta e pode ser utilizada sob a roupa. Há também a cinta semelhante a uma calcinha de cintura alta, confortável e de fácil vestimenta. Como seu design é também semelhante a uma peça já utilizada diariamente, há maior facilidade do consumidor em se adaptar ao acessório.

Além desses, existe o modelador que envolve também pernas e nádegas, ideais para recuperação da criolipólise realizada nessas regiões. Nesse caso, a vestimenta é semelhante a uma bermuda, igualmente confortável. O mesmo para o modelador de corpo inteiro, que envolve pernas, abdômen e busto, e pode também envolver braços.

Para um procedimento realizado no busto, parte superior das costas ou axilas, existe ainda a alternativa pelo sutiã pós cirúrgico. Para os homens, nesse caso, a peça ideal é a cinta semelhante a uma camiseta, bastante prática.

É importante, de qualquer modo, escolher o tamanho de cinta modeladora adequado ao seu corpo. A peça não deve nunca apertar, mas sim comprimir. Do contrário, poderão ser causadas marcas na pele, que por causa da pressão constante podem se tornar permanentes. Nesse caso, o resultado visual é pouco atraente. Além disso, uma peça apertada pode causar o atrofiamento dos músculos, falta de ar, e dores nas costas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *